POR QUE TRATAR O CALOR DA MENOPAUSA COM REPOSIÇÃO HORMONAL?

calor da menopausa
calor da menopausa

Você está na menopausa, ou se aproximando, e quer saber tudo sobre o calor da menopausa?

Então, hoje você vai aprender tudo sobre essas ondas de calor ou fogachos. Saberá porque acontece, se é perigoso e, principalmente, porque a mulher deve buscar tratamento.

É essencial que você entenda qual é a importância deste tema na hora de tomar a sua decisão. Por isso, é preciso ter uma melhor noção de alguns conceitos básicos.

A partir do momento que fica tudo mais claro, é possível fazer a escolha mais certa.

O que pode causar ondas de calor?

Antes de te explicar o que causa o calor da menopausa, vale relembrar o que é a menopausa.

É importante você ter em mente que a menopausa ocorre para 100% das mulheres. Para a maioria acontece dos 45 aos 55 anos. Ocorre, em média, aos 50-51 anos, podendo ser antes dos 45 ou depois dos 55 anos.

Na verdade, não tem como precisar uma data certa, tudo vai depender da data da sua última menstruação. Por quê?

Porque a menopausa significa 12 meses seguidos sem menstruar. Isso desde que a mulher não esteja fazendo uso de nenhum remédio anticoncepcional.

E o que acontece?

Vem a menopausa, cai a produção do nosso principal hormônio, que é o estrogênio. Só que, com essa queda, há um descontrole da sua termorregulação, isto é, da sua temperatura corporal.

Quando essa temperatura corporal aumenta, o seu corpo busca reagir a esse aumento. É por isso que você começa a suar e, consequentemente, pode vir uma sensação de desconforto. Todo esse conjunto se chama calor da menopausa, também conhecido como calorão ou fogacho.

Então, quando cai a produção do hormônio feminino pelo seu ovário, isso desregula a temperatura. O centro térmico regulador é comandado por uma estrutura do nosso cérebro chamada de hipotálamo. E, é exatamente o centro da termorregulação que mantém a temperatura do corpo a 37ºC.

Quanto tempo dura o calor da menopausa?

Se você está se perguntando quanto tempo dura esse sintoma, preste atenção nas próximas informações.

Saiba que, de 8 a 9 mulheres em cada 10, ou seja, 80 a 90% das mulheres terão esse sintoma na menopausa.

E isso é bem preocupante. Por quê?

Porque se nós formos pensar que o calorão dura, em média, de 2 a 5 anos, temos aí um grande desconforto. Imagine você tendo esse calorão, essa sensação desconfortável, seguida de um suor excessivo, por 5 anos!

Acontece que esse calor pode vir a qualquer momento do dia ou da noite, todos os dias e várias vezes ao dia. Isso acaba interferindo muito na sua vida pessoal, profissional, familiar e social.

De repente, até coisas simples viram um verdadeiro tormento: como passar um creme no rosto ou até mesmo uma maquiagem. Muitas vezes, esse calorão, dependendo da intensidade e duração, não permite dormir à noite.

A frequência e a intensidade do calor da menopausa variam

É importante a mulher ter isso em mente, que a frequência e a intensidade do calor da menopausa é muito variável. Assim como, por quanto tempo dura esse fogacho.

Em alguns casos, pode durar alguns segundos e em outros, vários minutos. Ou seja, cada mulher vai sentir de uma forma. Mas, independentemente da intensidade e da frequência, todo esse desconforto interfere diretamente na qualidade de vida da mulher.

Só que, infelizmente, ainda pode ser pior. Em 10% das mulheres esse calorão não vai embora, ele se perpetua até os 70-80 anos. Mas será que você pode estar entre esses 10%?

Na verdade, não tem como saber. Mas a grande questão é que, muitas vezes, você pode achar que ele vai parar e que não precisa tratar. Esse pensamento ocorre, em muitos casos, porque talvez sua mãe, ou uma amiga, tenha dito que, no caso dela, não tratou e passou.

Porém, o que você precisa entender é que cada mulher funciona de uma maneira. Talvez, outras mulheres não precisem tratar, mas você precise.

O que toda mulher tem que ficar atenta é que: esperar passar nem sempre pode ser a melhor escolha.

FIQUE ATUALIZADA!

Cadastre o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Fique tranquila, seu e-mail está completamente SEGURO conosco!

Os fogachos são perigosos para a saúde?

O que acontece com o fogacho no seu dia a dia?

Uma vez que pode acontecer a qualquer hora do dia, como eu já te contei, vai causar um impacto negativo na sua vida. Pode atrapalhar quando você está trabalhando, namorando e até mesmo fazendo simples tarefas diárias.

De repente, você está dormindo e o fogacho te acorda. Imagine se isso acontecer várias vezes durante a noite? E sem falar que, talvez você tenha que trocar a camisola, ou mesmo a roupa de cama, de tão molhadas que ficam de tanto suor.

No dia seguinte, você vai estar super cansada, sem energia, de mau humor, sem disposição e com uma maior compulsão por carboidratos.

Enfim, para o seu presente, o fato de ter o fogacho é muito desconfortável. Não só naquele momento, mas também o que gera para você no dia seguinte.

Além do desconforto térmico, pode ser perigoso

Alguns estudos mostram que, a cada calor da menopausa, a cada fogacho, você superaquece e, por isso, há um aumento da dilatação dos vasos. Tal mecanismo pode causar uma falta de sangue para o seu cérebro.

O nome que se dá para essa falta de sangue é isquemia. Por exemplo, o infarto acontece porque falta sangue no coração, certo? E da mesma forma, nós vamos tendo essas micro isquemias no nosso cérebro.

E quanto mais fogachos, mais isquemia e mais sofrimento cerebral. Com o tempo, qual é o dano para o cérebro?

Aumenta o risco de desenvolver demência, Mal de Alzheimer e Mal de Parkinson.

Mas, se você parar e pensar, é o nosso presente que pode interferir no nosso futuro, não apenas no futuro próximo, mas no futuro mais distante.

De repente, a mulher poderia ter uma demência aos 90 anos e, com isso, pode se antecipar a doença 10-20 anos. Não tem como saber.

O que dá para saber é que os estudos são claros. E estão mostrando que cada fogacho é responsável por uma isquemia e cada isquemia é responsável por um dano cerebral.

Isso precisa ficar bem claro!

Qual a diferença entre os tratamentos naturais e a reposição hormonal?

Eu quero falar sobre duas abordagens para você. Segue a primeira:

Tratamento natural

Existe uma linha daquelas mulheres que buscam um tratamento natural para menopausa. Mas o que é considerado um tratamento natural?

É considerado natural tratar com ervas, plantas, chás, tinturas sob a forma de cápsulas e etc. Ou seja, substâncias que estão na natureza.

Seja fitoestrógenos, que são derivados da soja, ou outras substâncias utilizadas na medicina popular como cápsulas, chás ou tintura de amoras.

Existem essas possibilidades. Entretanto, alguns estudos abordam os fitoestrógenos e mostram que eles melhoram o calor da menopausa para algumas mulheres. Mas para outras não.

Sendo assim, a medicina popular faz com que uma pessoa ache que, se melhorou para sua amiga, por exemplo, vai melhorar para ela também. A questão é que não se tem quase referência na literatura desses ativos. Eu mesma busquei, e encontrei apenas três trabalhos feitos em ratos.

E por que funciona? Porque essas substâncias, seja falando da amora, seja falando dos derivados da soja, como as isoflavonas, têm comportamento semelhante aos nossos hormônios.

Tratamento hormonal

Já a segunda abordagem, que é a terapia de adequação hormonal, é feita com hormônios. Nesse caso, existem vários tipos de hormônios: tem via oral, via transdérmica e implantes hormonais subcutâneos.

Então, temos vários tipos de hormônios. Temos aqueles que o tipo de molécula é igual à nossa, que são chamados de bioidênticos ou isomoleculares. Além disso, temos também hormônios onde a molécula é diferente da nossa.

Agora, quem faz a indicação do melhor tipo é o seu médico, diferentemente dos tratamentos naturais.

Vale lembrar também que, se a mulher que tem uma contraindicação para terapia de reposição hormonal, também é contraindicada para usar os fitoestrógenos.

Uma diferença básica entre os tratamentos naturais e a terapia de adequação hormonal é que, quando falamos de chá ou cápsulas de amora, por exemplo, não se tem estudo. Por outro lado, quando falamos de hormônios, não importa o tipo, existem muitos estudos que comprovam a sua eficácia.

E o que acontece com aquelas mulheres que não podem fazer a terapia de reposição hormonal?

Infelizmente, entram numa linha de remédios, que podem melhorar ou não.

Na maioria das vezes, esses remédios para aliviar o calor da menopausa são os antidepressivos.

O médico precisa avaliar de forma individual a sua contraindicação e ver se essa droga vai se adequar ao que você precisa.

Você viu que existem opções e que quem vai fazer a escolha, juntamente com você, explicando o porquê, é o médico. É esse profissional qualificado que cuida de você nessa fase da menopausa e climatério e, principalmente que está comprometido com a sua saúde.

FIQUE ATUALIZADA!

Cadastre o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Fique tranquila, seu e-mail está completamente SEGURO conosco!

Por que tratar o calor da menopausa com reposição hormonal?

Agora que você já sabe sobre os tipos de tratamentos para os fogachos, por que tratar o calor da menopausa com reposição hormonal?

Antes de mais nada, lembre-se: quem vai escolher o tipo, a via e a dose é o seu médico, gestor da sua saúde.

Tenha em mente que o calorão incomoda não apenas o seu presente,  hoje, mas incomodará o seu amanhã. A partir do momento que você tiver uma noite péssima, o seu dia seguinte também vai ser péssimo.

E sem falar no seu futuro…em razão do quanto o seu cérebro está sofrendo hoje.

Isso significa que, lá na frente, sua saúde pode ser muito prejudicada.

Existem estudos científicos que comprovam e mostram que, para tratar as ondas de calor ou fogachos, é preciso repor estrogênio. Tal fato ocorre porque o que provoca esse calorão é o estrogênio. Logo, é preciso repor o que está faltando.

Além disso, existe respaldo de todas as sociedades da área da saúde, no Brasil e no mundo, que tratam menopausa e climatério (SOBRAC, NAMS, IMS). Sendo assim, há TODA uma literatura científica mundial, que conta com muitos trabalhos falando que essa é melhor opção de tratamento para os calorões.

Só lembrando que:

1- temos que excluir quem tem contraindicação;

2- você também tem que querer fazer o tratamento.

Conclusão

Você viu que grande parte das mulheres terão o tão conhecido calor da menopausa, variando de intensidade e frequência. Mas o que importa é que isso afeta muito a qualidade de vida da mulher, inclusive a sua saúde.

Além disso, existem riscos para o seu futuro, como, por exemplo, a possibilidade de ter uma demência mais antecipada.

O que toda mulher precisa estar atenta é que: tem como resolver esse problema. Basta encontrar um profissional para orientá-la e direcioná-la quanto ao melhor tratamento.

Vale lembrar mais uma vez que a terapia de reposição hormonal é a mais indicada para tratar as ondas de calor ou fogachos. Por quê? Porque vai repor o hormônio que está em falta.

Não se esqueça: se existe tratamento e esse tratamento possui o respaldo de toda literatura médica, você não precisa mais sofrer com todo esse desconforto no seu dia a dia.

Procure seu médico ginecologista!

Aproveite e compartilhe tudo o que acabou de saber aqui. Pense em quantas mulheres ainda continuam sofrendo porque simplesmente não têm acesso à informações.

2 Comentários


  1. Oiii bom dia
    Tenho 48 já começou a menopausa
    durante o dia tenho menos calor, a noite não consigo
    dormir por causa do calor tô fazendo reposição natural
    não tá me ajudando em nada

    Responder

    1. Ro… se não deu certo esse tratamento, busque outro. Desistir jamais

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *