O QUE FAZER PARA QUE A DOR NO SEXO NÃO AFETE O SEU CASAMENTO NA MENOPAUSA?

Esse é mais um texto do ABC da Menopausa, uma série de artigos que te ensina absolutamente tudo o que você precisa saber sobre essa fase, como conquistar qualidade de vida e felicidade!

O tema que vou abordar é um transtorno na vida de qualquer mulher: a dor na relação sexual!

Esse problema interfere demais na sexualidade e na vida conjugal, podendo desencadear outras perturbações como, depressão, ansiedade e medo!

Você é uma das milhares de mulheres que sentem dor na relação sexual? 

Se sim, isso está prejudicando o seu casamento?

DOR NO SEXO AFETANDO O SEU CASAMENTO NA MENOPAUSA?

Quais as causas de dor na relação sexual?

A dor na relação sexual pode ter várias causas como: vaginismo, endometriose, vaginite, cervicite, colpite, ou seja, tanto por atrofia, como por bactérias/fungos.

Vamos entender um pouco sobre cada uma delas!

  • VAGINISMO: é a contração involuntária dos músculos em torno da vagina, o que gera dor. Logo, a mulher não consegue fazer sexo. Além disso, esse problema não apresenta causa física detectada, ou seja, possui causa psicossomática, isto é, de origem psicológica.
  • ENDOMETRIOSE: nesse caso, a dor ocorre devido a presença de células da camada interna do útero fora da cavidade. Por isso, há inflamação e consequentemente dor na relação e dor pélvica. Nesse caso, há alterações do intestino, no momento de urinar, a mulher sangra muito e tem cólicas menstruais.
  • VAGINITES, COLPITES  E CERVICITES: são causadas por atrofia, bactérias, protozoários e fungos. Sendo assim, é preciso tratar caso a caso.
  • ATROFIA: pode ser consequência da menopausa, amamentação, uso de anticoncepcionais, retirada ovários (ou seja, menopausa cirúrgica). Também pode acometer quem fez radioterapia ou quimioterapia para tratamento de câncer e quando há uso uso de substâncias que bloqueiam estrogênios.

A dor afeta o seu casamento? Conheça o CICLO DA RUÍNA, DA DOR!

A dor é uma sensação que sinaliza uma ameaça para o corpo. Portanto, gera estresse, medo e ansiedade.

Sendo assim, nossa resposta automática é de negação. Ou seja, seu cérebro não quer algo que cause dor seu corpo.

Logo, a mulher rejeita o parceiro, tem menos libido e excitação. Tudo isso culmina em menor frequência sexual, o que prejudica o relacionamento com o marido, mesmo que ele tenha paciência e não reclame.

Desta forma, o sexo vira um desprazer que faz com que a mulher se sinta mal e incapaz, ansiosa, deprimida, com a autoestima abalada. Por isso, com o tempo, não existe mais prazer em estar com seu parceiro, o que muitas vezes leva à separação, impactando a vida com um todo!

A menopausa é vilã na dor na relação sexual? 

Sim! Se não for tratada, a menopausa pode ser a vilã da dor na relação sexual.

Tal fato ocorre pois todas as mulheres passam pela falência ovariana. Com isso, os ovários murcham e passamos a ter uma falta de hormônios. Portanto, a vagina fica fina, encurtada, lisa e com falta de lubrificação. Sendo assim, a piora desse quadro é progressiva levando ao processo de atrofia vaginal. Ao longo do tempo, a vagina fica cada vez mais sem expandir e sem lubrificar, aumentando a dor na relação sexual e gerando até sangramento.

A tudo isso chamo de Ciclo da ruína da atrofia vaginal!

FIQUE ATUALIZADA!

Cadastre o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Fique tranquila, seu e-mail está completamente SEGURO conosco!

Como tratar a dor na relação sexual?

É preciso tratar as causas da dor na relação sexual. Por isso:

  • Vaginismo: é preciso fazer terapia;
  • Vaginites, cervicites, infecção, bactérias, fungos, protozoários e atrofia: é preciso procurar um médico que vai indicar o tratamento mais adequado para cada caso;
  • Endometriose: o tratamento pode ser clínico, hormonal ou cirúrgico;
  • Atrofia: é preciso estimular o tecido para que este fique eutrófico. Sendo assim, uma técnica interessante é o pompoarismo.

O que fazer para que a dor no sexo não afete o seu casamento?

O tratamento completo depende de um trabalho em equipe. Porém, o primeiro passo a é começar a fazer a sua parte!

Veja a seguir!

SUA PARTE

  • Frequência sexual regular: recomece aos poucos, como um exercício. Além disso, use gel mas tome cuidado pois ele resseca no ato e pode causar irritação;
  • Masturbação: com isso, você estimula o fluxo sanguíneo local;
  • Estilo de vida: faça exercício regular, pois ele estimula a oxigenação de qualquer órgão. Também tenha uma alimentação saudável, o que interfere na nutrição de todos os tecidos;
  • Hidratante de ácido hialurônico: uso vaginal, de 2 a 3 x por semana. Nesse caso, seu médico vai recomendar o melhor para você;
  • Exercícios para o assoalho pélvico: ou seja, praticar pompoarismo.

PARTE DA FISIOTERAPIA

  • Trabalhar a dilatação vaginal: através de dilatadores vaginais de silicone, usando vários calibres até chegar no tamanho do pênis;
  • Uso de vibradores: colocar a ponteira no períneo e na vagina contribui para estimular o assoalho pélvico e alivia contraturas, o que ajuda a relaxar.

PARTE DO MÉDICO

DOR NO SEXO AFETANDO O SEU CASAMENTO NA MENOPAUSA?

E o que ocorre se você não tratar a dor na relação sexual na menopausa?

A dor reflete uma disfunção no assoalho pélvico e, portanto, exige tratamento. Sem isso, o ciclo da ruína da dor se instala, levando a menopausa perpétua e a atrofia progressiva.

Tudo isso prejudicará cada vez mais a sua qualidade de vida e o seu relacionamento.

Logo, maior que o problema do dor física é o impacto psicológico!

A dor ato sexual destrói a vida conjugal, a autoestima e a vida pessoal, podendo culminar com o divórcio, o que impacta toda a família.

Por isso, se você está passando por essa situação, comece hoje mesmo com o que você pode fazer!

Antes de mais nada, compartilhe esse conteúdo para que mais mulheres que também sentem dor na relação sexual se sintam motivadas a mudar!

Não empurre o problema com a barriga!

Ter uma vida sexual saudável faz parte da qualidade de vida de qualquer mulher!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *