POR QUE O MAGNÉSIO É INDISPENSÁVEL NA MENOPAUSA?

Você já ouviu falar sobre o magnésio? Sabia que ele é um mineral indispensável na menopausa?

Neste artigo vou te explicar absolutamente tudo  que você precisa saber sobre:

  • O que é magnésio;
  • 14 indicações para o seu uso;
  • Quais alimentos são ricos em magnésio;
  • Quantidade que deve ser ingerida;
  • Tipos de magnésio.

O que é o magnésio?

O magnésio é o segundo mineral mais abundante no seu corpo. Ele é um cofator, ou seja, participa de mais de 300 reações enzimáticas que são essenciais para o bom funcionamento das células e do organismo. 

Além disso, é importante para:

  • Síntese de proteínas;
  • Função muscular e nervosa;
  • Manutenção da massa óssea;
  • Pressão arterial adequada;
  • Produção de energia e otimização do metabolismo;
  • Funcionamento dos neurotransmissores.

Sendo assim, o magnésio está distribuído em nosso corpo da seguinte maneira:

  • 65% nos ossos;
  • 34% nos músculos;
  • 1% nos fluídos do corpo. Logo, nosso sangue apresenta valores de magnésio entre 1,7 e 2,4 mg/dL.

Quais as 14 indicações do magnésio?

Veja, a seguir, todos os fatores nos quais o magnésio é capaz de interferir positivamente.

1 MELHORA DAS FUNÇÕES CEREBRAIS

  • Contribui para a memória de curto e longo prazo, além do processo de aprendizado;
  • No cérebro, é capaz de aumentar e potencializar as funções sinápticas de curto prazo e portanto, ajuda na memória. 

 2 MELHORA A ENXAQUECA

Ajuda nas crises de enxaqueca, já que a falta de magnésio leva à vasoconstrição. Sendo assim, quem sofre com esse sintoma tem níveis mais baixos desse mineral.

3 DIMINUI O RISCO PARA DOENÇA DE ALZHEIMER

Saiba que, quanto menos magnésio, maior o risco para demências, pois ele é capaz de proteger as sinapses e, assim, preservar a memória.

4 REDUZ RISCO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC)

Ajuda a reduzir derrames, já que é responsável pelo relaxamento dos vasos sanguíneos.

5 AJUDA A REDUZIR A PRESSÃO ARTERIAL

  • Contribui para o relaxamento dos vasos e, com isso, reduz a pressão arterial;
  • Logo, o cálcio contrai os músculos enquanto o magnésio os relaxa;
  • Estudos indicam que a ingestão de magnésio em doses de 120 mg a 973 mg/dia é capaz de reduzir cerca de 3 a 4 mmHg da pressão arterial sistólica.

6 CONTRIBUI PARA REDUZIR O DIABETES TIPO 2

Atua no  metabolismo da glicose e insulina, melhorando a sensibilidade desta. 

7 AJUDA NAS ALTERAÇÕES DO HUMOR, COMO ANSIEDADE E DEPRESSÃO  

  • Reduz os sintomas da TPM, quando associado à vitamina B6;
  • Atua na formação de neurotransmissores, reduzindo, assim, os sintomas relacionados à ansiedade.

8 OSTEOPENIA E OSTEOPOROSE

  • Atua nos osteoblastos, que formam os ossos, e nos osteoclastos, que consomem a matriz óssea;
  • Sendo assim, o magnésio atua juntamente com o cálcio.

9 PERFORMANCE FÍSICA

  • Nos exercícios físicos, atua na contração muscular;
  • Por isso, aumenta a performance;
  • Também melhora a contração muscular e a formação de energia (ATP).

10 AJUDA NA DIGESTÃO E OBSTIPAÇÃO

  • Ação antiácida, ajuda a combater a má digestão e o refluxo;
  • Além disso, apresenta papel laxativo.

11 MELHORA A IMUNIDADE

  • Estimula os leucócitos, que são células de defesa do nosso organismo;
  • Auxilia no combate à infecções.

12 AJUDA NO ESTRESSE

Quanto mais estresse, menos magnésio, ou seja, esse mineral é capaz de diminuir os efeitos do estresse.

13 ESSENCIAL NA CONTRAÇÃO MUSCULAR 

A carência de magnésio causa cãibras e cansaço muscular, inclusive da musculatura cardíaca.

14 ATUA NO METABOLISMO

Participa da geração de energia através do metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras.

Quais os alimentos ricos em magnésio e quanto ingerir por dia?

De acordo com estudos, o brasileiro tem uma baixa ingestão de magnésio, além disso, nosso solo é pobre neste mineral. Veja abaixo, alimentos que são ricos nesse mineral e devem ser consumidos de forma diversificada:

  • Vegetais folhosos verde escuro, como o espinafre;
  • Oleaginosas, como amêndoas, avelã e nozes;
  • Sementes de abóbora e girassol;
  • Castanha do Pará; 
  • Leguminosas, como lentilhas, ervilhas e feijões;
  • Quiabo;
  • Acelga;
  • Sementes de chia e linhaça;
  • Abacate;
  • Salmão.

Sendo assim, de acordo com o Dietary Reference Intakes (DRIs), mulheres devem ter consumo diário de 310 a 320 mg de magnésio, através da alimentação e da suplementação.

Por que o magnésio é indispensável na menopausa?

Como já expliquei em diversos outros artigos, a menopausa se dá por causa da falência dos ovários. Assim, a falta de produção hormonal afeta cerca de 400 funções em todo o corpo. Portanto, todo esse processo pode gerar cerca de 76 sintomas que prejudicam imensamente a qualidade de vida da mulher nessa fase.

FIQUE ATUALIZADA!

Cadastre o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Fique tranquila, seu e-mail está completamente SEGURO conosco!

Órgãos afetados pela MENOPAUSA e beneficiados pelo MAGNÉSIO

Na menopausa:

  • Coração e vasos sanguíneos apresentam maior risco de AVC, infarto do miocárdio e aumento da pressão arterial;
  • Ossos têm maior risco para osteopenia e osteoporose;
  • Humor apresenta alterações com maior ansiedade, depressão e irritabilidade;
  • Metabolismo desenvolve resistência a insulina;
  • Falta de energia por causa do sono ruim;
  • Maior estresse devido o fato de lidar com muitas mudanças;
  • Baixa imunidade;
  • Memória ruim;
  • Maior risco demência;
  • Baixa performance do metabolismo. 

Portanto, vemos que tudo o que piora com a falta de magnésio também são sintomas da menopausa. Por isso, é preciso estar atenta a deficiência nutricional. 

Como saber o tipo de magnésio para você na menopausa?

Como vimos até agora, o magnésio possui várias ações. Portanto, existem formas de magnésio com características particulares. Veja a seguir:

*magnésio não quelado.

  • Magnésio quelado: magnésio ligado a duas moléculas AA, glicina, está protegido e, assim, apresenta maior absorção e biodisponibilidade. Logo, a quelação facilita a absorção intestinal e seu uso nos tecidos;
  • Magnésio dimalato: quelado com duas moléculas de magnésio + 1 de ácido málico. Esse, é fundamental no metabolismo energético, gerando mais energia, prevenindo fadiga e fibromialgia;
  • Magnésio aspartato*: junto com ácido aspártico, que tem a função de aumentar a biodisponibilidade do magnésio em todas as funções;
  • Magnésio L treonato: vem quelado com vitamina C like. Logo, essa forma tem mais ação cerebral, atuando na memória, aprendizado e demência, uma vez que atravessa a barreira cerebral e penetra nos neurônios;
  • Magnésio citrato: apresenta alta biodisponibilidade também. É bom para o sistema cardiovascular, neuromuscular e nervoso. Para algumas pessoas, é laxativo;
  • Magnésio ascorbato: vem junto com vitamina C tamponada, que não agride o estômago e associa os benefícios de mineral com essa vitamina;
  • Magnésio carbonato*: magnésio não absorvido, sendo assim, reage com o ácido do estômago apresentando ação antiácida;
  • Magnésio sulfato (leite de magnésia)*: possui ação laxativa;
  • Cloreto de magnésio PA (puro para  análise, ou seja, faz referência a pureza do produto)*: não tem nenhuma mistura. É utilizado para dores em geral e possui ação laxativa.
POR QUE O MAGNÉSIO É INDISPENSÁVEL NA MENOPAUSA?

Conclusão

Por fim, não podemos negar que o magnésio é super importante para diversas funções. Portanto, ele é necessário e sua deficiência gera uma série de manifestações. 

A menopausa traz inúmeras desordens do metabolismo, por causa da falta de hormônios. Desta forma, se além da menopausa houver deficiência de magnésio os sintomas são mais exacerbados.

Por isso, para parar de sofrer na menopausa o primeiro passo é ter uma alimentação saudável e variada, rica em alimentos que sejam fonte de magnésio.

Depois, o segundo passo é pensar na suplementação desse mineral. Logo, essa medida pode ser necessária para suprir a sua demanda diária. Se for o caso, é necessário avaliar qual tipo de magnésio vai ajudar a melhorar sintomas que você apresenta.

Por isso, o ideal é sempre procurar um médico, que tenha o conhecimento e a experiência necessárias para te ajudar nesse processo.

Não se esqueça! Você e nenhuma mulher precisa sofrer com os sintomas da menopausa!

Por isso, compartilhe esse artigo!

Assim, cada vez mais mulheres terão consciência de que grande parte do tratamento da menopausa de depende de um bom estilo de vida. Ou seja, depende de você!

Não vire refém do declínio hormonal! Cuide-se, entenda, aprenda, escolha, aprimore e aproveite essa fase da sua vida!

3 Comentários


  1. Gratidão pelas informações. Estou com muitos sintomas da menopausa, o calor é o que mais incomoda. Está difícil, principalmente agora com o verão . Vou cuidar melhor da alimentação!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *